quinta-feira, 31 de março de 2011

Notícias da semana

Depois de alguns dias de treino volto para dar algumas notícias. A primeira é que Gastão entrou na chave de Recife. Após três desistências, recebemos um email de Cristina Yoshizawa, brasileira que está radicada em Ponte Vedra, sede da ATP nos Estados Unidos. Cristina nos passou a informação de que Gastão estava na chave e precisava de sua confirmação, que veio em dois segundos. Agora iremos sábado para já se adaptar ao clima de Recife, mais quente e úmido. Gastão vem treinando bem e aproveitamos esses dias para afinar alguns detalhes e fortalecer seu físico. A outra notícia é que já pedimos um Wild Card em Estoril, estamos loucos para jogar em Portugal, mas ainda aguardamos a análise dos responsáveis pelo torneio e ver se premiarão Gastão com esse convite. Imagino que devem ter algumas opções, e sinceramente torço para que Gastão seja uma delas. Infelizmente não temos muito tempo, já que segunda feira que vem temos que decidir para onde iremos. Os challengers encerram suas inscrições três semanas antes, e segunda feira fecha Sarasota nos Estados Unidos, justamente junto com Estoril. Vamos torcer.....      

segunda-feira, 28 de março de 2011

Semana de treino

Temos pela frente uma semana de treino. É hora de aproveitar este pequeno intervalo para ajustar alguns detalhes. Normalmente nessas semanas procuramos trabalhar tudo que foi visto nas ultimos torneios, o que se está bom e o que precisa ser melhorado. São feitos alguns ajustes e se trabalha muito os fundamentos, está parte sempre tem que ser treinada. Depois de uma boa sequência de torneios é hora de se preparar para o que vem pela frente. Agora com chances reais de entrar direto nos challengers e começar a jogar alguns qualys de ATPs. Sempre passo a passo, com calma e segurança, caminhando para conquistar nossos objetivos. Semana que vem, começa o challenger de Recife. Por enquanto Gastão está dois fora da lista da chave principal, ou seja, se não houver special exempt, ele entra direto. Calma, explico.
A chave é feita com trinta e dois jogadores, vinte e quatro melhores rankeados entram direto, mais quatro Wild Cards, e quatro jogadores que vem do qualy, formam a chave. Sempre se tem duas vagas para special exempt, o que vem a ser isso. O jogador na primeira lista está no qualy, na semana anterior ele chega a semi final do evento, portanto não consegue chegar a tempo de jogar o qualy, ele ganha o direito de entrar na chave, neste caso o último jogador da lista sai e tem que jogar o qualy. Gastão está nesta situação, ele é o vigésimo quarto da lista, chegou o momento de torcer para não haver special esta semana, enquanto isso vamos nos preparar para chegar pronto para nosso proximo objetivo

quinta-feira, 24 de março de 2011

Na terra de todos os Santos

Depois de alguns dias de folga estou de volta ao blog. Direto de Salvador , terra de todos os Santos, ministrando uma clínica em evento da BR distribuidora, mas depois volto a esse assunto. Vamos a Miami primeiro, meus espiões, no bom sentido, me passaram algumas informações sobre o jogo de Gastão. Para o treinador essa é uma situação dura, fico na expectativa de como vai ser o jogo. Logo pela manha já em contato com Cassiano, preparador físico de Gastão,  peço para ir me colocando a par do jogo. O primeiro contato não foi muito bom, derrota primeiro set. Duro não saber exatamente o que está acontecendo na partida, mas não tinha outra opção. Depois de alguns minutos, outra notícia ruim, Gastão havia perdido o serviço e estava atrás no marcador. Logo em seguida primeira boa, quebrou o serviço de volta. Eu já me sentia em uma novela mexicana. Depois, veio a ultima notícia, havia terminado o jogo. Conversei com Gastão depois, e um pouco chateado me contou um pouco da partida. Fiz um balanço das nossas últimas semanas e o resultado sem dúvida foi positivo. Começamos em Dallas onde caiu na ultima rodada do qualy, e terminamos em Guadaloupe onde fez uma grande campanha chegando a semi final. Uma evolução nítida que nos da muita confiança. Agora está em Miami aproveitando o torneio e treinando bastante. Nos encontraremos semana que vem para uma semana de treino, depois seguir para uma sequência de três challengers no Brasil. Enquanto isso estou aqui em Salvador em um evento da BR distribuidores. Um evento para mil e duzentas pessoas, com várias atrações, entre elas uma clínica de tênis comigo. Estou com meus irmãos Eduardo e Alexandre fritando no sol, e como camera woman Luciana minha esposa. Qualquer reclamação das imagens já sabem de quem foi a culpa. São três dias onde fazemos vários exercícios em quadra, passando dicas e interagindo com os participantes. Depois de duas horas com um saldo de uma bolada e muita risada, terminamos o primeiro dia. Um lugar agradável e um bom momento para recarregar as pilhas para mais uma sequência de torneios.   



video
                                       

domingo, 20 de março de 2011

Miami a distancia

Infelizmente não pude ir a Miami. Na verdade ficamos sabendo do WC no qualy duas semanas atrás, e eu já estava com meu visto expirado, coisas que acontecem. Não pude ir a Miami de corpo mas minha alma estará a todo momento com Gastão. Tenho certeza que ele sabe o caminho e dará o máximo de si dentro de quadra. Estou a espera do sorteio da chave, curioso para saber quem estará em seu caminho. Esta semana estou como vocês, torcendo de longe. Voltei, e depois de uma longa viajem chego em casa e tenho a visão mais gostosa do mundo, ao entrar minha filha vem correndo me abraçar, eram sete da manha e ela me esperava acordada. Confesso que está saindo uma lagriminha escondida, nessas horas eu vejo que vale a pena tudo que estou fazendo. Não é fácil ficar longe deles ,mas ao mesmo tempo é muito bom saber que tenho o suporte necessário para continuar.Eles me apoiam e torcem muito pelo pai. Me desculpem por este momento íntimo mas queria compartir um pouco com vocês. Quanto aos vídeos, estou solucionando um problema  e assim que estiver pronto volto a colocá-los.   




                         




=

sexta-feira, 18 de março de 2011

Mente x Corpo

Onze e meia da noite e estou aqui parado em frente ao computador pensando por onde começar. Hoje não deu, Rochus muito bem na partida do começo ao fim. Mereceu a vitoria jogou bem não dando nenhum ponto de graça e mexendo a bola o tempo todo. Gastão lutou, brigou com seu corpo que na verdade pedia descanso. Entrou em quadra um pouco dolorido ,resultado das batalhas travadas nos dias anteriores. Era uma briga constante entre mente e corpo. A cabeça mandava correr, pedia para atacar, lutava contra seu próprio corpo, esse por outro lado pedia férias. Os dois jogadores vinham de jogos duros , mas Gastão sentiu um pouco mais. Ainda conseguiu um suspiro no segundo set quando virou o jogo perdendo de dois a zero, conseguiu abrir três a dois mas nesse momento quando já estava jogando na reserva do combustível, o carro pifou. Nessas horas você não consegue lutar mais, mereceu elogios de todos inclusive de seu adversário.Sai com a cabeça erguida sabendo que fez valer a pena a viajem. que desde o inicio foi desgastante. Sai também sabendo do seu potencial . Eu saio confiante, sei que temos um longo caminho a percorrer e que estamos no caminho. Pude ver muitas coisas boas, outras que podem ser melhoradas e para mim o principal, eu vi um guerreiro em quadra, um cara que luta do começo ao fim mostrando determinação, disciplina, se superando em várias situações.  Agora já começa a pensar no qualy de Miami onde ganhou um Wild Card. Amanha começa a viajem com destino a Key Byscane, no caminho, vai aproveitando para descansar e ficar forte outra vez para novos desafios. Agradeço a todos que nos incentivaram esta semana, podem ter certeza que suas frases nos motivaram a conseguir o melhor. Vamos dormir  boa noite a todos....zzzzzzzzzzz      

quinta-feira, 17 de março de 2011

Determinação , a chave do jogo

Hoje não consigo escrever muito, meia noite e meia e chegamos só agora ao quarto do hotel. Outra vez sem comida, impressionante um hotel desses e não ter um serviço de quarto após as dez horas. Mais uma vitoria de respeito para Gastão. Mesmo após perder o primeiro set  depois de ter algumas oportunidades , ficou o tempo todo com a cabeça na partida, como tem que ser. Eu digo sem a menor dúvida que Gastão ganhou o jogo  no primeiro game do segundo set, vocês irão me entender. Começou o segundo set e normalmente o tenista que perde nessas condições, entra com a cabeça um pouco baixa, erro comum, Gastão entrou firme e determinado, o  suíço teve algumas oportunidades de quebras de serviço mas Gastão soube se impor e confirmar seu game, nessa hora mostrou que, mesmo perdendo o primeiro set queria muito ganhar o jogo, e iria vender caro a partida. Gastão confirmou o saque e logo em seguida quebra o serviço de Bohli.  Depois  veio uma sequência de sete games seguidos abrindo 6/0 e 3/0 no terceiro set. Jogou com aquele olhar e atitude de gente grande, o suíço ainda tentou usar de um artifício ridículo e que cada vez mais se vê. Gastão vencia 4/1 sacando Bohli , o suíço salvou vários break points confirma o serviço e para o jogo, pede atendimento na quadra, simplesmente sentou e parou. Absurdos que o regulamento permite. Gastão continuou focado e com determinação e muita garra venceu 6/3 o terceiro set. A cada dia esta dando passos importantes para sua carreira, e não falo só pelos resultados e sim pelas atitudes, essas sem duvidas vão construindo o futuro de Gastão. Um jogador talentoso, determinado e com grande coração...
Agora tem outro osso duro de roer, o belga Olivier Rochus , um jogador rápido, habilidoso com grande experiência no circuito.  Um ótimo desafio para Gastão.          

quarta-feira, 16 de março de 2011

Importante vitoria

Depois de mais um dia longo chegamos ao hotel cansados, mas com um sentimento gostoso. O relógio está marcando meia noite e não tem comida no hotel,  nenhum lugar nesta ilha faz entrega a essa hora, maravilha, a fome está grande mas não nos incomoda tanto, hoje Gastão teve uma vitoria importante. O adversário Simone Bolleli , tenista italiano que figura entra os 100 primeiros do mundo, jogador agressivo do fundo de quadra ,uma otima esquerda, uma direita sólida e uma cabeça cheia de dinamite prestes a explodir a qualquer momento. Um primeiro set bom onde faltou apenas uma coisa a Gastão, ser um pouco mais agressivo em alguns momentos. Falha que lhe custou o primeiro set, 6/4 para o italiano. No segundo set, muito mais seguro e agressivo, soube aproveitar bem os momentos e quando teve chance não as desperdiçou, variou  bem as jogadas tanto quando teve que se defender dos constantes ataques de Bolleli, como quando teve as bolas para atacar, 6/2 Gastão. Terceiro set logo no início Bolleli já dava sinais que estava com o pavio aceso e só faltava um empurrão para explodir. Gastão cresceu e começou a chegar em todas as bolas, forçando o italiano a ganhar o mesmo ponto umas três vezes. Mostrou maturidade para não perder a cabeça quando teve uma grande chance de quebrar o saque  do adversário, e a desperdiçou. Mostrou muita calma para sair de uma situação adversa quando o jogo estava empatado em cinco , Gastão sacava com três break points contra 0/40. Buscou e fechou 6/5. Neste momento jogou com autoridade e foi em busca da vitoria, não esperou ela cair em suas mãos, tomou iniciativa e foi pra cima de Bolleli, e depois de mais de duas horas de partida, ganhou 7/5 no terceiro.  Agora tem pela frente Stephane Bohli , Suíço que eliminou o cabeça dois do torneio o italiano Fognini. Vamos analisar bem e pensar como jogar com esse adversário, mas só amanha porque agora é hora de dormir.    
Visual que vale a pena. Guadaloupe é uma pequena ilha localizada no Caribe, com um visual maravilhoso vale a pena a visita. Povo com visual rastafari e adivinhem qual a musica típica ...Reggae.
Um restaurante no hotel que só da vista, já vale a pena. Prometo que amanha coloco um video mostrando a vista daqui. 







                                              
                                              
    

terça-feira, 15 de março de 2011

Só uma palavra, superação

Hoje eu tenho poucas palavras, pois aqui em Guadaloupe é exatamente uma da manha. Gastão acabou de sair da quadra e venceu seu jogo, que com certeza tem um sabor especial. Para que entendam terei que explicar desde a nossa saída em Mcallen com destino a Guadaloupe.
Saímos de Mcallen na segunda as seis horas da manhã, chegamos em Dallas as sete e meia,  tínhamos um voo para San Juan em Porto Rico que saia a uma e quarenta e cinco da tarde com chegada sete e meia da noite, onde apanharíamos uma conexão para Guadaloupe as oito e chegaríamos as nove e meia. Para nosso desespero duas horas antes do voo de Dallas para San Juan nos informam que  haveria um atraso de duas horas, ou seja perderíamos a conexão para Guadaloupe. A  única solução que nos deram era , pegar este voo para San Juan, passar a noite em Porto Rico , pegar um voo a uma da tarde de terça feira onde chegaríamos em Guadaloupe as duas e meia da tarde. Depois de conseguirmos um contato com Paulo Pereira, supervisor do torneio de Guadaloupe, e explicar a situação, o máximo que ele poderia fazer era, colocar o jogo dele para as seis e meia da tarde, o que já era uma boa ajuda. Depois de pensarmos muito se valeria a pena ir, pois chegaríamos cansados e sem o menor tempo para adaptar-nos , decidimos encarar e ir em frente.
Chegamos em Guadaloupe e foi o tempo de deixar as coisas no hotel e ir rápido ao clube para comer algo e aquecer. Para complicar um pouco mais a situação na hora que fomos aquecer começa a chover. A necessidade era tanta que batemos com a quadra ainda molhada, tínhamos que suar um pouco para tirar a zica da viajem. Gastão entrou em quadra quase dez horas da noite e depois de duas hora e vinte de jogo venceu 6/2 3/6 6/3. Posso falar sem duvida que foi o melhor jogo que fez nas ultimas duas semanas. Mostrando atitude do começo ao fim, valorizando e muito o esforço que fizemos para chegar aqui. Se querem saber do jogo? Podem esquecer, hoje só falo da superação e do comprometimento que foi demonstrado por esse garoto. Muitos não teriam  nem ido, o que diga-se de passagem seria o mais racional, outros entrariam na quadra e na primeira dificuldade desistiriam já com uma desculpa, e alguns, me alegro que Gastão seja um deles, teriam essa atitude de brigar pela vitoria até o final.  Agora é hora de dormir ,temos outro jogo amanha.           

domingo, 13 de março de 2011

Bem vindo a Peter Kasavage ¨House¨

Incrível, essa é a palavra de como posso descrever o que aconteceu hoje. Vou escrever sobre o jogo claro, mas  não posso deixar de comentar uma das coisas mais grotescas que presenciei ao longo de meus anos como tenista e agora treinador. Vamos começar por esse sujeito Peter Kasavage, supervisor do torneio. A função de um supervisor, como a própria palavra diz seria de supervisionar o torneio. Provavelmente se você for um dia assistir a um torneio de tênis, nem vai saber quem é este individuo, pois aparece pouco , apenas é chamado a quadra quando algo especial acontece. Alguma duvida de regra, quando um jogador se machuca entre outras coisas. O bom supervisor é aquele que não aparece muito e observa bem o que acontece nos jogos. Aqui os jogos começam da seguinte maneira. O arbitro como de costume chama os jogadores ao centro para fazer o sorteio, informar as trocas de bolas e mais alguns detalhes se necessário. Aqui além das coisas normais eles avisam os jogadores..._ Lembrem-se esta semana ¨IS PETER'S HOUSE . Até então não tinha entendido o que eles queriam dizer com isso, hoje percebi. Um sujeito autoritário, arrogante e com uma necessidade de aparecer enorme. Vamos aos fatos. Primeiro set Gastão sacando 1/2 no placar 15/15 , saca o segundo serviço e comete uma dupla falta. Odesnik devolve o saque e Gastão solta uma direita na paralela normal como acontece em qualquer jogo. Sr PETER grita de sua cadeira localizada em um canto fora da quadra... de-lhe uma advertência... A arbitra de cadeira ¨Warning Gastão Elias abuso de bola¨ não pude acreditar, nem mesmo o adversário, que sorriu achando que era brincadeira, mas como vimos estava falando serio. Depois de uma longa discussão Gastão estava com três bolas na mão e joga a bola na rede indignado, Sr PETER grita de fora ¨tira o ponto ¨, cara eu não podia acreditar, nunca vi na minha vida uma chamada dessa, um supervisor de fora da quadra ficar falando o que tem que fazer, a própria arbitra de cadeira ficou sem jeito, mas ele insistiu. Ou seja terceiro game do jogo e Gastão já tinha um penalty point, qualquer coisa mais, estaria desclassificado. Isso acaba intimidando completamente o jogador, ele simplesmente não pode fazer mais nada. Esse cara quase acaba com o jogo, Gastão perdeu completamente a cabeça, e durante alguns games não conseguia mais jogar. Não pensem que estou querendo defende-lo, porque se estivesse errado eu o criticaria duramente, e  também não perdeu o jogo por causa disso. Bom, passado esses games e depois de muita luta interior, Gastão voltou a partida , conseguiu virar o jogo e vencer o primeiro set depois de um duro Tie break. Odesnik começou muito bem o segundo e aproveitou o momento do jogo e abriu três zero com duas quebras. Gastão teve que correr atrás e de forma firme e consistente virou o jogo e impôs quatro três no segundo set.  Osdenik usou do artificio que muitos usam hoje em dia para parar o jogo, chamou o fisioterapeuta em quadra. Aconteceu o erro que custou a partida. Gastão relaxou um pouco nesse intervalo, vinha atrás de uma virada e havia conseguido, era hora de passar por cima, acabou relaxando um pouco a mente o suficiente para a virada de Odesnik 6/4 . Começou o terceiro com a cabeça um pouco baixa e já sem a energia dos outros sets, crucial numa final. 6/1 Odesnik.
Sempre falo que se aprende muito com as vitorias e mais ainda com as derrotas, temos que analisar juntos e entender o que aconteceu, para que numa próxima vez não aconteça.
Agora partiremos para Guadaloupe, temos uma longa viajem pela frente. Amanha praticamente viajaremos o dia todo, chegaremos segunda a noite para jogar na terça. Dificuldades que acontecem mas que teremos que enfrentar e buscar o melhor resultado possível. Good bye PETER'S HOUSE                   

sábado, 12 de março de 2011

Em busca de mais um Título

Mais um dia de vento , na verdade parecia mais um furacão. Um resultado estranho que só quem assistiu pode entender. Como fui um deles vamos aos fatos. Ao sairmos do hotel  já vimos como seria difícil jogar. Um vento forte que muitas vezes mudava de direção e intensidade. No aquecimento já foi bem complicado, estava batendo com Gastão e quando mudamos de lado, e eu passei a jogar contra o vento quase que tive que arranjar um braço novo de tanta força que tinha que fazer. Nessa situação o tenista tem que entender que será um jogo totalmente diferente, e ser muito forte de cabeça. Tentar dentro do possível usar o vento a seu favor, não reclamar pois a situação vai ser essa e não tem o que fazer. Conversamos bem antes do jogo, como jogar a favor do vento e depois contra o vento, são dois jogos completamente diferentes. O principal é não reclamar ficar forte de cabeça e entender que vai ganhar o jogo assim mesmo. Foi exatamente o que aconteceu no primeiro set, Gastão perfeito, atacando bem a favor do vento, jogando muito  com seu primeiro serviço, e do outro lado Robye Poole reclamando o tempo todo do vento ,dos juízes, tentando de tudo para tirar Gastão do jogo. Vitoria tranquila 6/0 . Geralmente quando um jogador acaba de ganhar o primeiro set com esse placar é fundamental sair na frente no segundo set, principalmente se sair sacando ainda mais nas condições de hoje, com vento forte. Gastão não jogou bem este game e colocou o americano em jogo. A partir deste momento  Poole começou a jogar melhor, passou a atacar mais e definitivamente entrou na partida. Gastão teve que correr atrás o tempo todo ficando difícil sua situação no segundo set. Perdeu um pouco o tempo da bola e começou a pensar duas vezes para atacar. Resultado 6/1 Poole. O americano não tem a melhor das cabeças se perde fácil e quando sai de jogo vai até marte ,e não tem muita certeza de quando volta. Foi exatamente o que aconteceu no terceiro. Gastão entrou firme para sair quebrando logo de cara. Foi o suficiente para Poole endoidar de vez, voltou a reclamar do vento, brigar com juízes e esquecer de jogar. Por outro lado Gastão se concentrou e voltou a tomar conta do jogo não dando chances ¨6/1. Agora tem pela frente um tenista bem experiente que já esteve entre os 100 do mundo, Wayne Odesnik, suspenso por uma ano devido a doping, volta ao circuito. Um jogador rápido de fundo de quadra e  que trabalha muito bem a bola. Gastão irá precisar ter calma e trabalhar bem os pontos para conseguir seu terceiro titulo do ano. E é isso que iremos buscar. 
Sucesso em Mcallen. Saimos para jantar ontem em um restaurante típico americano /mexicano com uma banda ao vivo e comida mais picante impossível, de bebida pedi um extintor de incêndio, minha boca estava pegando fogo. Fiz um pequeno video não podia deixar essa passar em branco. E fique bem claro que eles cantam em Inglês e em Espanhol ....

video
                                   Ventania em Mcallen   


video
                                Restaurante Buffalo Wings

sexta-feira, 11 de março de 2011

Vitorias sem susto

Após duas vitorias com poucos sustos, Gastão está a um passo de mais uma final. Ontem em uma partida controlada do começo ao fim , contra uma adversário que mais lembrava um bebe chorão do que um jogador. Vladimir Obradovic um tenista Sérvio que não parou de chorar, impressionante todos os pontos tinham uma justificativa. Algumas das frases ditas pelo Sérvio....¨só pega na linha¨, ¨pega tudo errado na raquete dele e entra¨, ¨todos os erros dos juízes são do meu lado¨ e assim por diante. Tudo em inglês, não teria a menor chance de eu entender outra coisa. Alem de tudo o fantasma reclamava em inglês. Ai meu Deus...
Quando é assim tem que fazer como Gastão, ficar quieto e não entrar no jogo do adversário, muitos fazem de propósito principalmente quando estão perdendo para ver se consegue tirar o adversário de jogo. Mal perdedores.
Hoje tinha um jogo chato, Catallin Gard um adversário que apesar de limitado e de não machucar muito, é um jogador inteligente.  Gastão tinha que se impor, era dia de ser agressivo e não entrar no jogo do oponente, que gosta de jogar bolas sem peso esperando ser atacado, um jogador rápido e experiente. Mais uma vez Gastão começou muito bem e depois de um pequeno vacilo que lhe custou algumas complicações no primeiro set, conseguiu se impor e vencer com uma certa folga. Resultado final 6/4 6/2 .
Agora a caminho da final terá pela frente um adversário perigoso, e que muitas vezes usa de artifícios não muito adequados. Tenta provocar o tempo todo com palavras direcionadas a seu oponente. Mais uma vez Gastão tem que entrar bem concentrado e já preparado para as provocações, infelizmente faz parte. A melhor resposta nesse caso é a vitoria, e é disso que estamos em busca. 
Tsunami
Acordamos um pouco assustados com o noticiário, infelizmente esta tragédia que foge totalmente do nosso controle. Resta apenas a nossa solidariedade com as pessoas que estão sofrendo com suas perdas. E rezarmos para dias melhores.     

quarta-feira, 9 de março de 2011

Ivan Lendl x Jaime Oncins

Como não teve jogo hoje, resolvi contar uma partida marcante de minha carreira. O ano era 1992, local, Paris.
Acabava de ganhar um ATP em Bologna, Itália, justo na semana anterior a Paris. Vinha de vitória sobre Andrés Gomez na semi final, cheguei cheio de confiança . Primeira rodada um jogo duríssimo com vitória no quinto set sobre um tenista alemão Karbacher. Segunda rodada iria jogar contra um dos maiores tenistas que já vi jogando, Ivan Lendl. Sempre foi um tenista que eu admirava muito, tive a oportunidade de vê-lo jogar varias vezes e era difícil de imaginar que um dia ele estaria do outro lado da rede, em um dos lugares que sempre sonhei em jogar, Roland Garros. O jogo estava marcado para quadra dois, uma das mais gostosas de se jogar. Em minhas palestras que tive oportunidade de fazer até hoje, sempre gostei de citar este jogo. Passei, e tive que lidar com diferentes situações dentro de uma mesma partida. A primeira delas logo no início do terceiro set, vinha perdendo por dois sets a zero mas estava jogando bem. O jogo foi paralisado pela chuva, fomos ao vestiário e nos sentamos relativamente perto um do outro. Também estava Cassio Motta e meu treinador Paulo Cleto. Eles se conheciam bem e Lendl não parava de falar tirando sarro com Cassio e Paulo, mas nada relacionado ao jogo. Eu quieto no meu canto. Primeiro que eu não o conhecia e depois queria ficar focado na partida, me sentia bem no jogo apesar do resultado. Voltamos a quadra e venci o terceiro e quarto set. No quinto set já com uma quebra de vantagem Lendl sacou para ganhar o jogo 5/4. Ele sacando 30/40 começa a chover,  jogamos o ponto assim mesmo e termino com um smash quase não enxergando nada, pois havia caído um pingo em meu olho bem na hora do golpe. Quebro o serviço e o jogo fica empatado 5/5 no quinto set, eu sacando. Segunda paralisação só que agora uma situação totalmente diferente, inclusive no vestiário. Lendl já não falava com ninguém, cara fechada. Lembro que falei para Paulo... e agora ele não vai ficar falando ?  Recebemos a notícia que o jogo iria ser adiado, já estava escuro e em Paris não se joga com luz artificial. Agora vem a pior parte. Imaginem a seguinte situação, eu jogando não pensava mais  em quem estava do outro lado da quadra , já tinha entrado no clima do jogo e esquecido completamente contra quem estava jogando. Quando parou o jogo e não voltamos tive a noite inteira para pensar. Agora eu estava muito próximo de vencer um grande ídolo a quem eu sempre assistia pela televisão. Comecei a pensar em todas as situações, devo ter jogado uns dez match points na cama. Ficava pensando o que fazer se tivesse um match point, e se não tivesse? E se entrasse perdesse meu saque logo de cara?  Varias perguntas e duvidas em minha cabeça. Resumindo dormi uns quarenta minutos esta noite , minha cabeça não parava de trabalhar. Fui para quadra aquecer e bati quase um hora, tinha que entrar muito aquecido, tinha poucos games para jogar e eram decisivos. Devo ter salvo uns dez break points e tido mais umas tantas vantagens para fechar o saque. Depois de um pouco mais de dez minutos consegui confirmar o meu saque e ficar com a vantagem de 6/5 no quinto set. Lendl ainda confirmou seu serviço e quando tive meu primeiro match point fiz a jogada inteira em minha cabeça. Iria dar uma curtinha na primeira oportunidade e foi assim que acabou o jogo. Lendl chegou na curta mas terminei com um a passada na paralela. Esse sem duvida foi um dos jogos mais emocionantes de minha carreira.   

                   segue video postado no youtube 

        http://www.youtube.com/watch?v=frvnTIcX3iI

terça-feira, 8 de março de 2011

Futures e Challengers, diferentes tipos de jogadores

Vamos falar um pouco sobre os tenistas que jogam Futures e Challengers. Hoje estávamos em um bate papo descontraído, eu e Gastão e ficamos observando o torneio e seus participantes. Podemos falar que hoje em dia é bem claro a diferença entre torneios disputados na América do Sul, nos Estados Unidos e os da Europa. Na América Do Sul grande parte dos torneios é disputado em quadra de saibro aonde os americanos passam bem longe, sempre com brasileiros, argentinos, colombianos , chilenos e alguns europeus perdidos, geralmente espanhóis, americanos nem pensar. Nos Estados Unidos quase todos disputados em pisos duros,  muitos americanos, alguns ainda universitarios, australianos, alguns europeus e quase nenhum sul americano. Na Europa é onde se encontra uma mescla maior de jogadores. Na temporada de saibro junto com os europeus, muitos sul americanos. Na temporada de quadras duras voltam os australianos ,ingleses etc...Posso afirmar com uma certa segurança que fica bem claro a preferência dos jogadores. Saibro para sul americanos, piso rápido para os países que tem como idioma nativo o inglês, Estados Unidos, Austrália e Inglaterra. Os Europeus podem se adaptar mais facilmente aos dois pisos, talvez pelo seu clima, que os obriga no inverno a jogar em quadra coberta e com piso rápido, e no verão saibro, com isso aprenderam a jogar bem nos diferentes tipos de pisos. Mauricio e  Pietro Jordão, dois brasileiros que estão indo para universidades no final do ano, me perguntaram quais os torneios  que eu achava mais duro de se jogar, os futures do Brasil ou os  Americanos. Difícil de responder, acho os dois bem equilibrados, aqui tem jogadores que no piso rápido  se tornam perigosos e no saibro não fariam grande coisa, no Brasil temos jogadores que são melhores no saibro e que se jogassem na dura com esses ¨gringos¨ poderiam se complicar. Eu diria que levando isso em consideração os dois são bem equilibrados. Não vale dizer que fiquei em cima do muro. 
Um exemplo claro do que escrevi agora, foi o jogo de Gastão hoje. Contra um tenista de Zimbábue, típico jogador de quadra dura, batidas retas e irregulares , que se fosse em quadra de saibro não machucaria em nada. Gastão se complicou um pouco no inicio , um pouco mais por escolher jogadas erradas do que méritos do adversário. Talvez sentindo um pouco a falta de ritmo de jogo. Depois que se encontrou na partida controlou melhor os pontos e decidiu com uma certa facilidade o segundo set. Agora pega outro jogador que pode incomodar na quadra dura, mas com um pouco mais de ritmo e já passando pela estreia, que sempre é um jogo chato, tem tudo para se sair melhor.      

domingo, 6 de março de 2011

Dificuldades de treino e susto em Mcallen

Hoje, domingo, seria último dia do qualy, mas com a tempestade que nos pegou de surpresa, os jogos ontem tiveram um atraso de mais de três horas, com isso muitas rodadas adiadas e o qualy só terminará amanha. As dificuldades encontradas para treinar foram grandes. Ontem tivemos que ir a um parque público onde as quadras não eram das melhores. O incrível é que com uma população em torno de 150 mil habitantes, existem quadras publicas por aqui. Fica uma pontinha de inveja. 
Susto. Estávamos treinando ontem neste parque quando fomos surpreendidos por um vento forte acompanhado de nuvens negras, em questão de segundos uma chuva forte fez com que saíssemos correndo para o carro. Estávamos no meio de um furacão. Hoje assistindo ao noticiário pela manha vimos que Louisiana que não fica tão longe de onde estamos foi atingida por vários tornados e  alguns lugares ficaram bem destruídos. Um pouco de emoção nessa semana. 
Hoje tivemos que sair cedo para treinar , o único horário possível é entre sete e nove da manha, depois os jogos começam e eles estão usando todas as quadras. Horário complicado ,pois o frio que faz a essa hora é de desanimar. Saímos as seis e meia da manha para uma sessão de treino. Nada agradável, mas necessário para termos sucesso esta semana.         


video
                                                      Tempestade em Mcallen



video
A caminho do treino



video
A caminho do treino parte II

sexta-feira, 4 de março de 2011

Mcallen Tx ou Mexico ?

Chegamos a Mcallen, cidade muito próxima da fronteira com México. Fomos várias vezes alertados por Consuelo e Cristina, duas pessoas que trabalhavam na casa da família Mankoff, nossos anfitriões da semana passada, para tomar muito cuidado, pois se trata de uma cidade muito perigosa. Consuelo uma senhora mexicana de 72 anos que quando soube que iríamos a Mcallen arregalou os olhos e nos recomendou não sair de bobeira a noite. Chegamos preocupados, notamos que a última coisa que tem aqui é americano. Quase toda mão de obra mais barata é feita por mexicanos. Recepção , motorista de táxi, pessoal que trabalha no shopping, aeroporto e clube, só falamos espanhol. Ainda não soltei meu inglês por aqui. Mauricio que está contente, andava um pouco travado ultimamente com seu inglês, apesar de eu achar que fala bem, o garoto só precisa se soltar mais. Quero ver ele no primeiro ano na universidade vai ter que se soltar na marra. 
Não posso deixar de contar que Mauricio esqueceu seu computador na casa dos Mankoff, mas para sua alegria já está a caminho de nosso hotel via UPS. Fomos almoçar no shopping que fica localizado em frente ao hotel e depois fomos treinar. Clube a principio parece ser bom, e uma coisa  já percebemos, o vento será um grande adversário esta semana. Muito forte e troca de direção a todo momento. Ruim para todos, temos que aproveita-lo da melhor maneira. Vou postar dois vídeos de nosso primeiro dia, um do almoço e outro mostrando nosso quarto. Amanha começa o qualy, Mauricio mostrou muita empolgação no treino da tarde , afinal amanha será dia de jogo. Gastão só segunda ou terça, para treinar será difícil, não tem quadra, eles utilizarão quase todas, deixando apenas uma, que servirá para os jogadores do qualy aquecerem. Vamos ter que nos virar para encontrar um lugar para treinar. Coisas de Future.  


video





video

A caminho de Mcallen

Hoje não tenho muito o que escrever, estamos já nos preparando para a próxima cidade ,Mcallen Tx. Passamos por cinco longos dias de treino. Situação que nenhum jogador gosta. Após perder no qualy, aproveitamos para aprimorar alguns detalhes do jogo. Agora já estamos chegando perto do próximo jogo que será segunda feira. Chegou o momento de se jogar mais sets. A partir de hoje já mudamos um pouco o ritmo de treino, mais sets mesclado com exercícios específicos. Neste momento é hora de alimentar a confiança do jogador e não ficar inventando muito. Gastão pode treinar bem a parte de quadra e físico também. Hoje temos o voo para Mcallen as 13:30hs, para quem acha que não fazemos nada até a hora de embarcar, já treinamos uma hora e meia cedo e quando chegarmos a nova cidade treinaremos um pouco mais. Na próxima semana será um Future de 15 mil dólares de premiação. Engana-se quem achar que é um torneio fraco por ser menor, sempre existem jogadores perigosos nesses eventos, loucos por um lugar entre os melhores. Nos preparamos bem, agora é hora de afinar os últimos acordes e que venha Mcallen.   

quarta-feira, 2 de março de 2011

Lucky loser, que martírio .

Como havia dito tivemos três longos dias. Tudo começou na segunda feira com a espera de todos os jogos e terminou hoje com o fim das primeiras rodadas. Gastão era o segundo a entrar, se todos os jogadores que não estavam em condições de jogo não jogassem ,a essa hora Gastão estaria enfrentando Bogolomov Jr.
Mas como nem tudo acontece como tem que ser... explico. Na segunda feira um americano que já esqueci do nome, entrou na quadra para jogar e estava lesionado , todos já sabiam, entrou jogou cinco games e retirou-se. Primeira oportunidade perdida. Ontem quando estávamos indo embora do clube o arbitro nos avisa que um tenista americano havia se retirado e Gastão seria o próximo a entrar, sabíamos que Tomic estava lesionado e que suas chances de jogar seriam mínimas. Havia uma luz no fim do túnel. Chegamos ao clube cedo e a partida do australiano estava programada para as cinco da tarde. Fizemos todo o preparativo imaginando que haveria uma grande chance de jogar. Quando deu quatro horas da tarde chega Tomic e diz a Gastão que iria jogar. Paciência tínhamos um pouco de esperança mas não tínhamos o que fazer. Tomic entra em quadra e depois de caminhar durante sete games retira-se. Como falei a Gastão, na próxima vez ganhe seu jogo e não temos que depender de ninguém, fica um gostinho amargo mas não há o que fazer.
Conversando um pouco com o pessoal daqui do clube , fiquei comparando algumas situações com o Brasil. Começando pelo torneio. As pessoas que trabalham são todas voluntárias, geralmente sócios do clube que fazem de tudo para ajudar o torneio, desde os motoristas que levam os jogadores para o hotel aos pegadores de bola. Alias sabem quem são os pegadores? Pais de atletas e sócios do clube, senhoras com suas jóias ,maquiadas com cabelo em dia unhas pintadas, e não fazem a menor cerimonia em ajudar. Pelo contrario sentem orgulho de fazer. Senhores com seus relógios caros e anéis brilhantes que também tem seus filhos fazendo parte do treinamento ,e quando estes estão na escola são seus pais que ajudam nos jogos. estou colocando fotos para não acharem que estou inventando. Conversando um pouco com uma treinadora do clube , comento que me impressionou a quantidade de gente jogando tênis, ela me fala que realmente tem um número legal, e que inclusive esta é apenas uma das três sedes que eles tem, pois nesta não tem quadra suficiente para o treinamento. Sabe de quantas quadras estamos falando? Trinta, entre cobertas e descobertas, isso é um número pequeno pra eles. Que inveja que fiquei. Agora já vamos começar a focar para o próximo evento que será um future aqui no Texas mesmo. Estamos indo para cidade na sexta feira,onde tenho certeza que melhores resultados virão



                                                         pegadores voluntários

terça-feira, 1 de março de 2011

Um dia de espera

Estou escrevendo da sala de jogadores, ontem foi um dia de espera. Gastão é o segundo jogador a entrar na chave, caso alguem desista por alguma razão. Neste caso temos que ficar o dia inteiro até o último jogo entrar na quadra. Umas das piores situações que o tenista pode passar, pois ninguem tem a certeza do que pode acontecer. Vou dar um exemplo que aconteceu na semana passada em Delrey Beach. Robert Farah um tenista colombiano perdeu na primeira rodada do qualy. Na quarta feira ainda haviam jogos válidos pela primeira rodada da chave, ninguem assinou a lista de lucky loser, numa situação normal ele nunca entraria na chave, mas como ele foi o unico a assinar a lista e houve uma desistencia, ele entrou. Então sempre é importante ficar até que não exista mais jogos de primeira rodada. Ontem ficamos, e nesta situação temos que nos adaptar ao treino, fica sempre a duvida se treinamos com força total ou maneiramos um pouco para não ter tanto desgaste. Lógico que ao chegar ao final do dia sabíamos que não haveria chance , sendo assim pudemos treinar um pouco mais. Como ficamos o dia todo aproveitei para assistir alguns jogos e ver algumas figuras, por sinal cada uma. Vamos comecar por um Australiano que parecia aqueles lutadores do video game street fighter. O cara e loiro, tem cabelo de moicano e na parte mais alta do cabelo pintado de branco. Completamente doido, no primeiro game do jogo ja havia atirado a raquete longe. Um olhar que parecia que tinham tirado ele da jaula minutos antes de entrar na quadra. O outro um Jamaicano, Dustin Brown, com seu cabelo rastafari e um estilo de jogo único. Pode acontecer qualquer coisa, bolas maravilhosas e erros ridiculos, como diria meu amigo Casiano Costa, Brown tem uma direita religiosa( seja o que  Deus quiser) . Vou tentar colocar uma foto dos dois tenistas. Fui conferir Domijan para ver se ele consegueria manter o mesmo nivel de quando jogou com Gastao. Nao foi nem sombra do jogador que assisti dois dias atras. Creio que ele tem este perfil mesmo, um jogador perigoso, que quando estiver em um dia inspirado pode fazer chover, mas quando estiver em seus dias normais....Hoje sera mais um dia de espera, uma licao que Gastao pode tirar desta situacao, na proxima vez, ganhe o jogo.   
Nao se assustem com os erros ortográficos, tive que terminar usando o computador do Gastao e ele esta configurado em inglês... Sorry     



 Samuel Groth


Dustin Brown